Sopa de Feijão à Toscana

27 jun

 

Já estamos no inverno e com essas noites chuvosas uma sopa reconfortante vem a calhar!

Esta é típica da belíssima região italiana da Toscana e muito boa, com o seu intenso aroma de alho…

Ingredientes para 4-6 pessoas

- 300 g de feijão branco cozido, lavado e escorrido
- 300 g de feijão manteiga cozido, lavado e escorrido
- 2 e 1/2 xícaras de caldo de legumes (ou de galinha)
- 115 g de massa tipo fusilli (ou outra massa tubular de pequeno formato)
- 4 colheres (sopa) de azeite
- 2 dentes de alho picados finamente
- 3 colheres (sopa) de salsa fresca picada finamente
- sal & pimenta do reino moída na hora

Modo de Fazer

Colocar metade do feijão branco e metade do feijão manteiga num liquidificador ou no copo de um processador, junto com metade do caldo de galinha. Triturar até obter um creme liso e homogeneo.

Colocar o creme em uma panela de fundo espesso, juntar como os feijões e o caldo restantes. Misturar muito bem e levar para ferver. Se a sopa parecer muito espessa, adicionar um pouquinho de água quente.

Juntar a massa e levar para ferver. Baixar o fogo e cozinhar por mais 10-15 minutos, ou até a massa se apresentar cozida “al dente”.

Separadamente, aquecer 3 colheres (sopa) de azeite numa frigideira pequena anti-aderente. Adicionar os alhos picados e refogar por 2-3 minutos sem parar de mexer, até o alho ficar dourado mas não queimado. Juntar o preparado de azeite e alho a sopa, assim como a salsa picada.

Temperar com sal e pimenta. Distribuir a sopa por pratos fundos ou tigelas e borrifar com o azeite restante. Servir em seguida.

Acompanhe com torradinhas.

sopa-toscana editada

Fonte : receita adaptada do livro Soup Bowl - Ed. Love Food * Parragon Books (E.U.A.)

Despertar ao Relaxamento, Bora Viajar?

24 mai

Despertar ao Relaxamento, Bora Viajar?

O Blog Despertar ao Mundo de Josette Leprevost em parceria com a operadora francesa M.A.E Prestige de Nowack Natacha está organizando o primeiro grupo de viagem  que sairá em outubro (dia 27) para Paris, Versailles, Biarritz, Bordeaux (França), San Sebastián (Espanha), O Porto, Santarém, Lisboa, Tavira (Portugal), Faro (Algarve, Portugal), Sevilha e Madri (Espanha).  Convidamos para acompanhar o gupo  Kleber Patrício, relações públicas e proprietário da empresa  KPM&E, Kleber é um grande profissional, amigo e muito querido por todos que o conhecem bem, já esteve na Europa anteriormente e domina fluentemente o inglês, podendo assim orientar e ajudar em situações corriqueiras.

O foco da viagem é proporcionar uma tournée de alto nível mesmo para quem já conhece a Europa, uma vez que tudo está sendo preparado por uma operadora francesa —ou seja, com olhar de dentro para fora—, com programas que buscam oferecer um passeio interessante, relaxante e que permita às pessoas de fato esquecer da vida cotidiana e aproveitar o melhor do Velho Mundo. Quem tiver interesse em aderir ao grupo pode  enviar mensagem para o email  jleprevost37@gmail.com ou deixar seu contato nesse blog no campo comentários, que entraremos em contato para passar valores e detalhes da viagem.

Bora viajar?

Paris1 EDITADA

Torre Eifel – Paris

158 EDITADA

Espanha

torre_de_belem EDITADA

Torre de Belém – Portugal

Fotos: Banco de Imagens

Tajine de Frango com Cuscuz Marroquino

23 mai

Tajine de Frango com Cuscuz Marroquino

Ingredientes

  • 1 quilo(s) de peito de frango bem limpo, sem pele e em cubos de 2 cm
  • 3 colher(es) de chá de canela em pó
  • 1 colher(es) de chá de cominho em pó
  • 1 colher(es) de chá de gengibre em pó
  • 1 colher(es) de sopa de molho de pimenta-vermelha ou a gosto
  • 50 grama(s) de manteiga
  • 1 cebola grande picadinha
  • 2 dente(s) de alho picadinhos
  • 6 pistilos de açafrão
  • 1 litro(s) de água
  • 1/3 maço(s) de salsinha, amarrado com um barbante
  • 6 cebolas roxas grandes em fatias finas
  • 2/3 xícara(s) de chá de uva passa escura
  • 2 colher(es) de sopa de açúcar
  • 3 xícara(s) de chá de fava fresca já debulhada ou congelada
  • 2 xícara(s) de chá de cuscuz marroquino
  • 1 xícara(s) de chá de amêndoa em lâminas finas
  • 2 colher(es) de sopa de mel
  • azeite de oliva espanhol o necessário
  • sal e pimenta-do-reino

Modo de preparo

 Prepare o frango


Numa panela média, misture o frango, 2 colheres de chá de canela, o cominho, metade do gengibre e o molho de pimenta e deixe repousar fora da geladeira por 1 hora.

Acrescente um fio de azeite, metade da manteiga, a cebola picadinha, o alho, 2 colheres de chá de sal, um pouco de pimenta e 2 pistilos de açafrão, tampe e leve ao fogo baixo por uns 10 minutos, mexendo de vez em quando, até soltar um caldinho.

Adicione então a água e o amarrado de salsinha, tampe parcialmente a panela e cozinhe por aproximadamente meia hora, até que o frango esteja bem macio.

Com uma escumadeira, retire e reserve os pedaços do frango, separe 2 xícaras do caldo para regar o cuscuz e guarde o restante para as cebolas.

O Cuscuz

Numa frigideira grande, aqueça mais um fio de azeite e a manteiga restante e doure bem as cebolas fatiadas com uma pitada de sal.

Acrescente o restante do gengibre e da canela, 2 pistilos de açafrão, a uva passa, as favas, o açúcar e o caldo reservado para as cebolas. Deixe em fogo alto até conseguir um molhinho encorpado, que cubra o dorso de uma colher. Retire do fogo e reserve.

Vinte minutos antes de servir, coloque o cuscuz numa tigela grande. Aqueça o caldo reservado com o restante do açafrão e um pouquinho de sal, retire do fogo quando ferver e despeje sobre o cuscuz.

Deixe descansar por 10 minutos, mexendo de vez em quando para soltar os grumos e, ao final do tempo, regue com um fio de azeite e misture.

Doure ligeiramente as amêndoas numa frigideira grande e seca e reserve em outro recipiente. Na mesma frigideira, aqueça mais um fio de azeite, junte os pedaços de frango e o mel e deixe no fogo até dourar um pouco.

Sobre um prato grande e que não seja nem muito raso nem muito fundo, espalhe o cuscuz formando um “vulcão”. No centro, coloque primeiro o refogado de cebola, por cima o frango e finalize com as amêndoas.

Receita da chef Heloisa Bacellar.

DSCF4146 editada

Foto: Banco de Imagens

Cozinha Marroquina em Paris

23 mai

Cozinha Marroquina em Paris

Em minha última noite em Paris Natacha e Olivier,  meus queridos amigos franceses me convidaram para nos juntarmos ao grupo simpático de amigos deles para jantarmos. Eu nem imaginava o quanto a noite seria  agradável.

A primeira incrível surpresa foi a neve que nos presenteou com paisagens inesquecíveis, e depois o restaurante surpreendentemente, aconchegante, charmoso, alegre e com uma comida de aguçar todos os sentidos.

Oliveiras nos vasos caracterizam a entrada do La Souk , onde o melhor da  cozinha clássica marroquina é degustada.

Algumas sugestões do melhor para pedir no La Souk, é sem dúvida começar com b’stilla , são folhas brik preenchidas com confit de pato, passas, nozes, aromatizada com água de flor de laranjeira e polvilhada com canela e açúcar, deliciosoooo.

Mantenha ainda o apetite para mais. Os tagines e cuscuz são todos excelentes, são servidos ultra quentes e em porções muito generosas. A apresentação é perfeita.

Menção especial para o tagine pode, que leva mel, cebola, damascos, figos e canela polvilhada com amêndoas torradas em seu preparo.

Se ainda for possível e seu apetite der conta, escolha  para sobremesa o delicioso mil-folhas de figos frescos, enquanto o garçom lhe serve o doce chá de menta.

Você vai adorar esse lugar de atmosfera alegre e terá certeza que está em Morrocos!

O La Souk Restaurante fica:

1 rue Keller – 75011 – Paris

Tel. 01 49 29 05 08

12746_319496311490825_1301278382_n editada

22201_345165368923919_337478403_n editada

408374_345165112257278_171003806_n editada

532214_323916567715466_131581767_n editada

A Melhor Maneira de Tirar seu Visto!

5 abr

Quando precisei tirar meu visto americano, havia conhecido a Nikko Turismo á pouco tempo, mas logo após os primeiros contatos já fiquei extremamente  feliz e até surpresa com um atendimento personalizado,  disponibilidade  e eficácia em todas as solicitações, desde uma simples reserva nacional até uma complexa viagem em grupo ou familiar para o exterior.

Quando pedi meu visto, foi muito tranquilo com a Nikko, eles se encarregaram de preencher digitalmente todas as informações solicitadas, emitiram os boletos das taxas necessárias e enviaram para meu email,  após as taxas pagas, fizeram o agendamento para minha entrevista (obrigatória) nos órgãos competêntes. Mas o melhor é o cuidado com a personalização da orientação que me foi dada e  é feita com cada solicitante de acordo com sua realidade e motivo para o pedido do visto, eles orientam da maneira mais correta, inclusive quais documentos levar consigo no dia da entrevista. Assim as chances de tudo dar certo são bem maiores.

Depois de tudo é só escolher o roteiro com a Nikko Turismo e boa viagem!!!

Propaganda Visto Americano Editada

Texto Publicitário

Publicidade

Ovo Fabergé – História e Origem dos Ovos de Páscoa Russos Fabergé

29 mar

Ovo Fabergé – História e Origem dos Ovos de Páscoa Russos Fabergé

A história dos ovos Fabergé, produzidos pelo talentoso joalheiro russo Peter Carl Fabergé se converteram em obras de arte, ovos cravejados de jóias preciosas e que eram presenteados aos Czares da Rússia, a família Romanov.

A Páscoa era uma data muito especial na Rússia Czarista: todos se beijavam e diziam: “Cristo ressuscitou”, recebendo a resposta: “Verdadeiramente, Cristo ressuscitou”. E se presenteavam com ovos, que representavam a nova vida que surgia, o renascer das esperanças. Os ovos que o povo trocava entre si eram pintados.

Já os ovos que os membros da família real e os nobres da Corte davam uns aos outros eram feitos de ouro, prata, decorados com esmalte e pedras preciosas.

Em 1884, o Czar Alexandre III encomendou ao joalheiro oficial da corte imperial russa, Peter Carl Fabergé, um ovo como presente para sua esposa, a Imperatriz Maria Feodorovna, contendo uma surpresa, a critério do joalheiro. No caso desse primeiro ovo, a surpresa era uma galinha colocando uma safira. O sucesso na Corte foi enorme.

Assim iniciou-se a tradição dos Ovos de Fabergé.

A cada ano o Czar encomendava um novo ovo para dar à Czarina na Páscoa, cabendo a Fabergé confeccioná-lo como bem quisesse. Com a morte do Imperador, seu filho, o Czar Nicolau II, prosseguiu com a tradição, encomendando a Fabergé dois ovos por ano, um para sua mãe e outro para sua esposa, Alexandra.

Com diamantes, rubis, platina, ouro e cristal de rocha. Dentro uma réplica da carruagem que transportou a Czarina Alexandra pelas ruas de Moscou durante as festividades da coroação de Nicolau II.

Os ovos de Fabergé eram únicos. Alguns celebravam temas íntimos da família; outros honravam eventos notáveis do Estado Russo. Eram dotados de pequenos e delicados mecanismos que mostravam o segredo do seu interior. O ovo anual era sempre a grande surpresa para a família imperial e admirado por toda a Corte, sendo objeto de desejo generalizado.

Por serem exclusivos e caprichosamente elaborados, os ovos de Fabergé tornaram-se peças valiosíssimas. Com cerca de 13 cm, cada ovo levava o ano inteiro para ser confeccionado, desde o desenho original, o corte, a lapidação das pedras e todos os detalhes, envolvendo diversos mestres da empresa Fabergé. Tudo era feito em absoluto sigilo.

Em comemoração ao tricentenário do Governo Romanov. Tem 18 retratos em miniatura de todos os membros reinantes e, dentro dele, gira um globo terrestre de ouro, com um mapa mostrando as fronteiras russas quando da ascensão do primeiro Romanov e as fronteiras durante o reinado de Nicolau II.

Os ovos eram cuidadosamente guardados junto ao tesouro da família Romanov.

Foram 56 obras-primas produzidas de 1885 a 1917.

Com a Revolução Russa, o tesouro dos Romanov foi confiscado pelos bolcheviques e dispersado. Não se conhece o paradeiro de todos os ovos de Fabergé feitos para a família imperial. Até 1.998, haviam sido localizados 44 destes exemplares. Em 2.002, o noticiário internacional dava conta que um ovo imperial foi arrematado num leilão da Christie’s por 9,6 milhões de dólares.

Peter-Carl-Faberge-2 EDITADA

ovo-fabergc3a9-sc3a9rie-imperial1 EDITADA

ovo-da-pc3a1scoa-por-fabergc3a9 EDITADA

Karl_Faberge EDITADA

Peter Carl Fabergé

Fonte: Wikipédia
Fotos: Banco de Imagens

Raviolis de Foie Gras no Caldo de Galinha

26 mar

Raviolis de Foie Gras no Caldo de Galinha

Raviolis de Foie Gras no Caldo de Galinha

Preparação: 30 minutos

Tempo de cozimento: 2-3 minutos

Rendimento:

4 pessoas

Ingredientes:

Folhas de ravioli

Foie gras mi-cuit

Maças Verdes Granny Smith ou a que encontrar

Trufa escovada EXTRA e Azeite de trufas

Noz-moscada

Caldo de galinha ou frango

 Modo de Fazer:

Corte as fatias finas de  maçãs, em seguida, usando um cortador de biscoitos para fazer discos do mesmo tamanho.

Corte a trufa também regularmente, passe os discos em azeite de trufas.

Prepare o caldo de galinha e reserve.

Montando os raviolis:  Quadrado de massinha para ravioli comprado em lojas de massas frescas, abra a massinha acomode a fatia de trufa em seguida junte o disco de maçã verde embebido em azeite de trufas. Rale a noz-moscada e, em seguida, colocar um pedaço de foie gras com sal.

No contorno do ravioli passe uma mistura de clara de ovo / água (2/3- 1/3).

Termine colocando outra massinha de ravioli para fechar, garanta que colou, depois finalize o corte (pode até ser com uma xícara de café) corte o ravioli redondo.

Cozinhe no caldo de galinha ou frango por 2-3 minutos, virando no meio do cozimento.

Um grande obrigado a Gregory, Blog Unomafu por sua receita deliciosa!

recette_raviole_truffe_foie editada

www.comtessedubarry.com

Polvo com Batatas no Forno

21 mar

É preciso um pouco de experiência para cozinhar polvo ou pelo menos, conhecer umas regras básicas simples. Quanto maior for o polvo, mais rijo é. Se comprar polvo fresco, congele-o antes de o cozinhar assim, ficará bem mais tenro. Também é importante não temperar o polvo com sal antes do final da cozedura, senão endurece. E, se quiser ganhar tempo, use uma panela de pressão para cozê-lo. Também fica bom se cozinhado a vapor.
Esta prato de polvo simples, à moda tradicional do Açores, foi muito apreciado por quem o degustou. Espero que gostem também.
Ingredientes para 4 pessoas
  • 1,5 kg de polvo limpo, descongelado
  • 1 kg de batatas, descascadas e cortadas em cubos
  • 1 folha de louro
  • 2 cebolas, cortadas em meias-luas finas
  • 3 dentes de alho, picados finamente
  • 100 ml de azeite
  • sal grosso marinho & pimenta preta moída no momento
  • coentros frescos picados – ou salsa

 

Preparação

Colocar o polvo num tacho, juntamente com a folha de louro. Cobrir com água e levar para ferver. Baixar o fogo e deixar ferver durante pelo menos 1 hora. Verificar se o polvo está tenro. Se não for o caso, cozinhar durante mais tempo. Temperar com sal somente no final do cozimento. Escorrer, reservando um pouco da água do cozimento.
Levar as batatas para cozinhar em água temperada de sal durante 20-25 minutos – ou até se apresentarem cozidas, mas ainda firmes. Escorrer e reservar.
Cortar o polvo em pedaços e transferir para um tabuleiro de forno, juntamente com os cubos de batata. Reservar.
Pré-aquecer o forno a 180ºC.
Refogar as meias-luas de cebola e os alhos picados no azeite, em fogo médio, durante 5-6 minutos, mexendo para não deixar queimar.
Regar os pedaços de polvo e as batatas com o a preparação de azeite, cebolas e alho. Juntar um pouco da água do cozimento reservada. Temperar com sal e pimenta. Envolver delicadamente.
Levar ao forno – a 180ºC – até as batatas ficarem ligeiramente douradas. Retirar do forno e polvilhar com coentros picados – ou salsa. Servir de seguida, acompanhando com pão fresco.

 

Polvo com batatas no forno editada

Dia Internacional da Mulher – Origem

8 mar

Dia Internacional da Mulher – Origem

Dia Internacional da Mulher, celebrado em 8 de março, tem como origem as manifestações das mulheres russas por melhores condições de vida e trabalho e contra a entrada da Rússia czarista na Primeira Guerra Mundial. Essas manifestações marcaram o início daRevolução de 1917. Entretanto a ideia de celebrar um dia da mulher já havia surgido desde os primeiros anos do século XX, nos Estados Unidos e na Europa, no contexto das lutas de mulheres por melhores condições de vida e trabalho, bem como pelo direito de voto.

No Ocidente, o Dia Internacional da Mulher foi comemorado no início do século, até a década de 1920.

Na antiga União Soviética, durante o stalinismo, o Dia Internacional da Mulher tornou-se elemento de propaganda partidária.

Nos países ocidentais, a data foi esquecida por longo tempo e somente recuperada pelo movimento feminista, já na década de 1960. Na atualidade, a celebração do Dia Internacional da Mulher perdeu parcialmente o seu sentido original, adquirindo um caráter festivo e comercial. Nessa data, os empregadores, sem certamente pretender evocar o espírito das operárias grevistas do 8 de março de 1917, costumam distribuir rosas vermelhas ou pequenos mimos entre suas empregadas.

Em 1975, foi designado pela ONU como o Ano Internacional da Mulher e, em dezembro de 1977, o Dia Internacional da Mulher foi adotado pelas Nações Unidas, para lembrar as conquistas sociais, políticas e económicas das mulheres.

Dia_Internacional_da_Mulher editada

Fonte: Wikipédia
Fotos: Banco de Imagem

Blogagem Coletiva | Foto jacu: você ainda vai ter uma!

20 fev

A blogueira Silvia Oliveira do Matraqueando publicou um post  sobre fotos jacu, e convidou os blogueiros de viagens para pagarem esse mico!

Eu como adoro e dou muita risada com esse tipo de foto, logo achei o máximo poder postar algumas daquelas fotos que guardamos no arquivo pessoal  a “7 chaves”. Afinal como ela diz: ” Mico mesmo é não ter história para contar! ”

Minhas Jacuzisses

Foto tirada em Itu / São Paulo na Fazenda do Chocolate, passei uma tarde deliciosa com meu filho Pedro Raphael, mas o melhor foi ter tomado esse típico café da tarde caipira com ele!

A maior jacuzisse dessa foto tirada em Lisboa / Portugal, foi que eu estava assistindo ao clássico Sporting X Benfica no estádio do Sporting mas certa de que sentaria na arquibancada do Benfica, já que torço para ele. Não é que comprei o ingresso errado e fui parar na fervorosa torcida dos sportenses! Acabei tirando o cachecol da bolsa só para um segundo de foto e morrendo de medo de apanhar..rsrs. Pelo menos o Benfica ganhou de 3X1.

Presas no Castelo da Vinícola Lacave em Caxias / Rio Grande do Sul.

Sentar no colo do Papai Noel em plena Temple Bar em Dublin / Irlanda, não tem preço!

Olha o micooooooooo!!!!!!

Confira e veja todos as fotos Jacus dessa Blogagem Coletiva!

Participam também da brincadeira:

Ana Oliveira, Psiulândia

Andreza Trivillin, Dica e Indica Disney

Camila Navarro, Viaggiando

Carmen Silvia, De uns tempos pra cá

Marcelo Lemos, Across The Universe

Mariana Laudeauser, No Mundo da Mari

Silvia Oliveira, Matraqueando

Mirella Matthiesen, Mikix

Mirelle Matias, 13 anos depois

Quer compartilhar suas fotos jacus também? Sim, porque eu sei que você tem!!! Clica aqui e veja como!


coloque esse código no final da página: